Vítimas do ciberataque global aumenta para mais de 200 mil

“Isso é algo que não havíamos visto antes”, disse o diretor da Europol em entrevista ao canal de televisão britânico ITV. “O alcance global é sem precedentes”, afirmou.
Wainwright também advertiu que pode haver mais problemas quando sistemas de computação forem religados na segunda-feira, após ficarem apagados no fim de semana.

Na Ásia, onde muitos negócios ficaram offline quando o ataque começou a se espalhar na sexta-feira, os governos pediram cautela. A Indonésia emitiu um alerta às pessoas, pedindo que se desconectem da internet antes de atualizar seus softwares de maneira a conter o problema.

“Agora que o fim de semana terminou na Ásia nós podemos esperar casos que não foram descobertos antes”, disse Matthieu Suiche, fundador da Comae Technologies, companhia de segurança cibernética nos Emirados Árabes.

Hospitais britânicos estavam transferindo pacientes para lidar com problemas no sistema de marcação de consultas. Na China, os consumidores dos postos operadores pela China National Petroleum não conseguiam usar cartões de bancos e outros sistemas de pagamento, disse a gigante estatal neste domingo. Até a tarde deste domingo (hora local), quase 20% dos postos estavam fora de serviço, segundo a companhia.

Foram afetadas uma série de corporações e agências do governo, além de empresas como a montadora francesa Renault e a companhia de entregas americana FedEx, bem como o Ministério do Interior russo. A Renault atuava para retomar a produção em algumas fábricas pela Europa, após seus sistemas de computadores terem sido atingidos pelo vírus.

O ataque se aproveitou de vulnerabilidades de segurança em um software da Microsoft. O vírus se instala nos computadores e enviava uma mensagem com a promessa de restaurar os arquivos após o pagamento de resgates na moeda virtual Bitcoin. O governo do Reino Unido disse que orientou o Serviço Nacional de Saúde a não pagar resgate algum, enquanto especialistas em segurança do governo trabalhavam para interromper a disseminação do vírus.

A equipe de resposta a emergências da Espanha disse que desenvolveu uma ferramenta disponível para todas as companhias para impedir o problema de afetar seus computadores. A ferramenta lança um algoritmo que impede a operação do código, mas não limpa máquinas já comprometidas.
Na Bélgica, o vice-premiê Alexander De Croo disse que o governo elevará os investimentos em segurança cibernética nos próximos meses. Na Alemanha, a operadora ferroviária Deutsche Bahn, que anunciou no sábado que havia sido atingida, disse que ainda trabalhava para resolver o problema.

O ataque também causou problemas em várias universidades chinesas, bem como em algumas agências do governo.

Fonte: Estadão

Outras Notícias

Apólice da Lamia não estava em vigor em acidente da Chape, alega seguradora

A indenização às vítimas do acidente da Chapecoense ganhou um novo capítulo. A empresa Bisa, seguradora contratada pe...

Homem de 96 anos recebe carta de amor escrita em 1945 pela esposa, já falecida

O americano Rolf Christoffersen, de anos 96, recebeu uma carta de amor, na última semana, datada de 4 de maio de 1945...

Após piloto passar mal, passageiro ajuda a pousar avião com 200 pessoas a bordo

Um fato assustador e inusitado aconteceu durante o voo 9W063 da Jet Airways que ia de Bancoc (Tailândia) com destino ...

Coreia do Norte: primeiras fotos de exercício militar divulgadas

As imagens divulgadas pela agência KCNA mostram fileiras de armas e canhões alinhados em toda a extensão da praia de ...