Temer é gravado dando aval para compra do silêncio de Cunha, diz jornal

Correção: diferentemente do informado no título e no texto das 19h54min às 20h07min, a conversa entre Temer e o presidente da JBS foi gravada em áudio, e não filmada, segundo o jornal O Globo. O texto foi corrigido.

Os donos da JBS, Joesley e Wesley Batista, gravaram o presidente Michel Temer dando aval para a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). As gravações foram oferecidas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin na quarta-feira passada (10) em delação premiada ainda não homologada. As informações são do jornal O Globo.

Na gravação, de acordo com o jornal, Temer indica a Joesley o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS). Em outra gravação, Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley.

De acordo com o jornal, Temer e Joesley se encontraram no Palácio do Jaburu em 7 de março por volta das 22h30min. Na conversa, que durou cerca de 40 minutos, Temer também ouviu do empresário que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. Diante da informação, Temer incentivou:

— Tem que manter isso, viu?.

Aos procuradores, Joesley disse que não foi Temer quem solicitou o pagamento da mesada, mas que o presidente sabia dos pagamentos.

Esta e a primeira vez que a força-tarefa da Lava-Jato fez "ações controladas" — em um total de sete — para obter prova flagrante. A ação foi adiada para que a polícia conseguisse um momento mais oportuno para o avanço da investigação.

O delator também disse que o ex-ministro Guido Mantega era o seu contato com o PT para o pagamento de propinas. Mantega também cuidava dos interesses da empresa no BNDES.

O senador Aécio Neves também foi gravado, pedindo R$ 2 milhões a Joesley. O dinheiro foi entregue a um primo do presidente do PSDB, numa cena filmada pela Polícia Federal. A PF rastreou o caminho do dinheiro e descobriu que eles foram depositados numa empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).

________________
O que pesa contra os citados na delação:

A acusação contra Temer
Em gravação feita por Joesley Batista, Michel Temer indica o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para receber R$ 500 mil como propina para resolver um assunto do interesse da JBS. Temer também avalizou o repasse de dinheiro para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do doleiro Lúcio Funaro, ambos presos.

— Tem que manter isso, viu? — incentiva Temer.

A acusação contra Aécio
Em gravação, Joesley Batista registra o senador e presidente do PSDB, Aécio Neves (MG), pedindo R$ 2 milhões. A entrega do dinheiro a um primo de Aécio, Frederico Pacheco de Medeiros, foi filmada pela Polícia Federal (PF). Rastreamento posterior feito pela PF demonstra que o dinheiro foi depositado em uma empresa do senador Zezé Perrella (PSDB-MG).

A acusação contra Mantega
Joesley Batista relatou ao Ministério Público Federal que seu contato no PT era o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Segundo o empresário, Mantega defendia os interesses da JBS no BNDES e repassava a propina aos petistas e aliados.

A acusação contra Cunha
Joesley afirmou ainda aos procuradores que pagou R$ 5 milhões para Eduardo Cunha. O dinheiro foi entregue após o ex-deputado ser preso. O pagamento seria referente a um saldo de propina. Joesley disse que devia mais R$ 20 milhões a Cunha pela tramitação de lei sobre a desoneração tributária do setor de frango.

Fonte: DIÁRIO CATARINENSE
A.M

Outras Notícias

Moro absolve Cláudia Cruz dos crimes de lavagem de dinheiro e de evasão fraudulenta de divisas

O juiz federal Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, absolveu a jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-preside...

Janot recorre ao plenário do STF e pede prisão de Aécio e Rocha Loures

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recorreu da decisão do ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Ja...

STF pode definir regras sobre eleição indireta em caso de afastamento de Temer

Uma eventual eleição indireta no Congresso para a escolha do presidente da República pode ter suas regras definidas p...

OAB decide pedir impeachment de Temer; pedido deve ir à Câmara

Em reunião finalizada na madrugada deste domingo (21) o Conselho Pleno da OAB aprovou parecer que recomenda a abertur...