JBS implode também Lula, Dilma e Serra; "não renunciarei", diz Temer

A teia da JBS e o poder dos irmãos Joesley e Wesley Batista foram muito além do que foi divulgado até agora. Vão explodir amanhã, sexta-feira, delações que atingem mortalmente, pela ordem, os ex-presidentes Luis Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (PT), o ex-presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB) e o ex-chanceler e ex-presidenciável José Serra (PSDB). Os valores são de tirar o fôlego e surgirão nomes que até aqui vinham passando ilesos.

Quem teve informações sobre o material informa que os tentáculos do grupo JBS não ficam a dever nada aos da Odebrecht, mas com uma diferença: o dono e os executivos da empreiteira decidiram fazer delação premiada depois de presos, já com capacidade limitado de produzir novas provas tão contundentes. Já os irmãos Batista estão há meses gravando seus interlocutores e pautando os monitoramentos da Polícia Federal.

O resultado é considerado devastador e arrasta para o fundo do poço não apenas o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves, pelas gravações liberadas à noite nesta quinta-feira, mas o próprio mundo político. Esta sexta-feira será mais um novo dia para nunca ser esquecido na história brasileira.

"Não renunciarei", diz Michel Temer em pronunciamento após delações da JBS

"Não renunciarei", disse o presidente Michel Temer em um rápido pronunciamento realizado nesta quinta-feira, 18 de maio, em Brasília, sobre as denúncias de corrupção que recaíram sobre ele na noite desta quarta (17). Temer foir gravado pelo empresário Joesley Batista, um dos sócios da JBS, em conversas que sugerem seu aval ao pagamento pelo silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), já preso pela Operação Lava Jato.

"Sei o que fiz e exijo investigação plena e muito rápida para o povo brasileiro. Essa situação de dúvida e dubiedade não pode continuar", disse Temer. O presidente referiu-se ainda às gravações feitas por Joesley como clandestinas e disse que seu "único compromisso é com o Brasil, e é só esse compromisso que me guiará".

Fonte: O Globo e G1

Outras Notícias

Ação popular contra governador Colombo naufraga por ausência de suporte probatório

« Voltar Ação popular contra governador Colombo naufraga por ausência de suporte probatório 19/09/2017 17:45 295 vi...

Brasil pode ter mais de cem partidos se reforma política não fixar limite

O eleitor que pretende se filiar a algum partido não pode reclamar de falta de opção. Existem 35 legendas em atividad...

Fachin autoriza prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud

Após pedido feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Lui...

Wilamir Cavassini é eleito prefeito de Abelardo Luz, diz TRE

Os eleitores de Abelardo Luz, no Oeste catarinense, foram às urnas neste domingo (3) para eleger prefeito e vice-pref...