Indústria de transformação foi um dos setores que registrou crescimento no período - Foto: Jaqueline Noceti / Secom

Santa Catarina tem crescimento do PIB acima da média nacional

A economia de Santa Catarina cresceu 3,14% de janeiro a setembro de 2017 em comparação com o mesmo período de 2016. Os dados fazem parte do Índice de Atividade Econômica Regional (IBCR-SC), calculados pelo Banco Central e que ajudam a compor o PIB do ano. O crescimento do Estado ficou bem acima da média nacional, que completou os nove primeiros meses do ano com aumento de 0,43%.

Só no mês de setembro, a evolução de Santa Catarina foi de 3,49% enquanto o avanço no país foi de 1,3% se comparado ao mesmo mês do ano anterior.

Com base nos indicadores da atividade econômica de SC que embasaram essa estimativa do PIB estadual, se observou um crescimento de 1,75% nos últimos 12 meses até setembro. O BC estimou para o Estado, nesse mesmo período, um crescimento de 1,68. A economia brasileira, segundo os dados do PIB trimestral do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE), retraiu 0,2% no mesmo período.

O crescimento catarinense foi puxado principalmente pelos setores de metalurgia com aumento da produção de 23,7%, de alimentos (6,4%), vestuário (7,6%). O avanço também foi sentido nas exportações, com aumento de 14,5%. Entre os produtos mais enviados ao exterior estão carne, soja e motores elétricos.

De acordo com o assessor econômico da Diretoria de Orçamento da Secretaria de Estado da Fazenda, o economista Paulo Zoldan, um dos fatores está no menor nível de desemprego do país, no extraordinário aumento da produção agrícola, das exportações e no menor endividamento. “Temos a menor taxa de desemprego do país associado ao fato de termos um dos maiores crescimento de novos postos de trabalho. O rendimento médio do trabalhador catarinense também é maior que o do nacional. Outro fator foi o excelente desempenho da agricultura que dinamizou a economia de uma grande parcela dos municípios catarinenses, que tem no agronegócio sua principal atividade econômica. Isso gerou um efeito positivo em toda a cadeia produtiva desde a produção de insumos, a industrialização de alimentos, transportes, serviços, exportações e importações entre outros. Também os catarinenses estão menos endividados e com menos dívidas em atraso que a média das famílias brasileiras. Tudo isso, gerou um efeito positivo também no comércio, que foi o que mais cresceu no pais”.

Por: Rafael Vieira de Araújo
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado de Comunicação - Secom

Outras Notícias

IGP convoca candidatos para segunda fase de concurso público

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) e o Instituto de Estudos Superiores do Extremo Sul (Ieses) tornam p...

Balneário Camboriú terá a maior roda gigante da América do Sul

Aproximadamente 150 pessoas aprovaram, em audiência pública, o projeto da “Big Wheel” - Roda Gigante de 65 metros de ...

Seguem abertas inscrições ao processo seletivo para juízes leigos em Santa Catarina

Seguem abertas - até o próximo dia 25 de janeiro - as inscrições ao primeiro processo seletivo para a função de juiz ...

Praia em Florianópolis amanhece com fusca encalhado na beira do mar

Quem resolveu dar uma caminhada na Praia do Santinho, no Norte da Ilha, na manhã deste domingo (08), se deparou com u...