WhatsApp virou o principal canal do cibercrime no Brasil; saiba se proteger

Nos últimos anos, o fluxo de notícias sobre golpes realizados em aplicativos mensageiros cresceu de maneira expressiva. Agora, uma pesquisa do DFNDR Lab confirma: o aplicativo WhatsApp foi o principal canal de ataque de cibercriminosos brasileiros entre outubro e dezembro de 2017.

Segundo dados do Relatório de Segurança Digital, mais de 44 milhões tentativas de ataque pelo WhatsApp foram realizadas no último trimestre de 2017. O resultado é 107% maior que o registrado no trimestre anterior, com 21 milhões de golpes.

O principal ataque realizado é o phishing, sempre acompanhado com link malicioso. Caso você não saiba, phishing é um dos métodos de ataque mais antigos, já que "metade do trabalho" é enganar o usuário de computador ou smartphone. Como uma "pescaria", o cibercriminoso envia um texto indicando que você ganhou algum prêmio ou dinheiro (ou está devendo algum valor) e, normalmente, um link acompanhante para você resolver a situação. O phishing também pode ser caracterizado como sites falsos que pedem dados de visitantes. A armadilha acontece quando você entra nesse link e insere os seus dados sensíveis — normalmente, há um site falso do banco/ecommerce para ludibriar a vítima —, como nome completo, telefone, CPF e números de contas bancárias.

Dessa maneira, alguns dos golpes de phishing que vimos nos últimos meses são: passagens grátis da Azul e LATAM, promoções da Nespresso, Netflix, Cacau Show e O Boticário, ingressos para a Copa do Mundo e inúmeros outros que usam marcas conhecidas para ludibriar vítimas.

"Para ficar protegido contra golpes no WhatsApp é fundamental manter um antivírus no celular que contenha uma ferramenta de anti-phishing capaz de bloquear as ameaças em tempo real", alerta Emilio Simoni, diretor do DFNDR Lab. "Outra ação imprescindível é usar o senso de prudência e desconfiar de promoções, promessas de brindes e grandes descontos que circulam pela internet. É preciso criar o hábito de não compartilhar com amigos e familiares nenhum arquivo ou página web cuja procedência não é conhecida".



Fonte: TECMUNDO
A.M

Outras Notícias

WhatsApp pode parar de funcionar em alguns celulares a partir de 31 de dezembro; veja quais

Após cada atualização, o WhatsApp começa a aumentar o grau de exigência de seus aparelhos. Ou seja, alguns celulares ...

Comunicação por e-mail entre empresas e clientes tem valor legal, confirma Tribunal

A comunicação por meio eletrônico entre empresa e cliente, desde que atendidos os pressupostos elencados pela legisla...

Santa Catarina terá programa Internet para Todos

Em reunião com o ministro de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, nesta segunda-...

Participante chato? WhatsApp permitirá silenciar usuários em grupos

App testa funcionalidades que devem melhorar a experiência dos usuários. O WhatsApp testa um novo pacote de funci...