Juro médio do cartão subiu de 285,4% ao ano, em dezembro, para 286,9% em janeiro.

Bancos sobem juros do cartão de crédito e do cheque especial

Os bancos iniciaram o ano de 2019 elevando os juros médios cobrados no cartão de crédito rotativo e no cheque especial, segundo informações divulgadas pelo Banco Central (BC) nesta quarta-feira (27).

* O juro médio do cartão de crédito rotativo para pessoas físicas subiu de 285,4% ao ano, em dezembro, para 286,9% ao ano, em janeiro deste ano.

* Já a taxa média do cheque especial, de acordo com a instituição, avançou de 312,6% ao ano, em dezembro, para 315,6% ao ano, em janeiro de 2019.
O aumento de juros bancários acontece em um momento de estabilidade da taxa básica da economia, fixada pelo Banco Central a cada 45 dias para controlar a inflação. A taxa Selic está na mínima histórica de 6,5% ao ano desde março do ano passado.

A inadimplência, que segundo o Banco Central também influencia os juros cobrados pelos bancos, subiu de 2,8% em dezembro para 2,9% em janeiro deste ano. No caso das pessoas físicas, passou de 3,2% para 3,3% e, das empresas, avançou de 2,4% para 2,5% nesta comparação.

O crédito rotativo do cartão de crédito pode ser acionado pela pessoa que não pode pagar o valor total da sua fatura no vencimento, mas não quer ficar inadimplente. Para usar o crédito rotativo, o consumidor paga qualquer valor entre o mínimo e total da fatura. O restante é automaticamente financiado e lançado no mês seguinte, com juros.
O cheque especial é uma linha emergencial que permite ao correntista gastar um certo limite definido pelo banco, mesmo que ele não tenha dinheiro na conta. Mas esta facilidade custa a ele juros mais altos.

Juros bancários elevados

As taxas de juros do cartão de crédito e do cheque especial ainda seguem elevadas na comparação com outros países e também com outras linhas de crédito ofertadas pelos bancos.
A recomendação de economistas é de que os clientes não usem essas modalidades, ou que, se necessário, as utilizem por um período muito limitado de tempo.

Juros bancários elevados inibem o consumo e também os investimentos na economia brasileira. Esse é um dos problemas, segundo economistas, a serem enfrentados na economia pela gestão do presidente Jair Bolsonaro.
Dados do BC mostram que os quatro maiores conglomerados bancários do país detinham, no fim de 2017, 78% de todas as operações de crédito feitas por instituições financeiras no país.

No ano passado, o lucro dos maiores bancos do país cresceu. É o caso do Bradesco, do Itaú, do Santander, e do Banco do Brasil.
Competitividade

Em audiência pública no Senado Federal nesta terça-feira (26), o economista Roberto Campos Neto, que teve seu nome aprovado para comandar o Banco Central, avaliou que o sistema bancário brasileiro não é mais “concentrado” do que em outras economias desenvolvidas, e acrescentou que os bancos do país também são competitivos.

"A gente precisa distinguir entre concentração e competição. Na crise [do crédito de risco, iniciada em 2008], países aceitaram mais concentração por mais segurança", declarou ele, acrescentando que "vários estudos mostram que a competição no Brasil não é muito diferente do mundo emergente".
"O Brasil, apesar de ser concentrado [o sistema financeiro], dá pra dizer que existe competição. No entanto, essa competição não gerou um spread [juros bancários] adequado”, declarou ele na ocasião.

O economista disse, também, que só olhar o tamanho do lucro dos bancos “não é uma boa métrica”. Ele acrescentou que é preciso avaliar a rentabilidade das instituições financeiras.
“Tem que ver qual é o lucro sobre o capital empregado. Retorno dos bancos já foi bem maior, 19%, 20%, já caiu para 12%. Bancos rendiam mesma coisa que títulos do governo. Agora voltou para alguma coisa como 15%. Apesar de o lucro ser crescente, rentabilidade baixou muito, voltou a crescer, mas está abaixo do máximo”, afirmou Campos Neto.

Estudo da Consultoria Economática mostra, porém, que a mediana da rentabilidade sobre o patrimônio (ROE) dos bancos brasileiros supera a das instituições norte-americanas desde 2005, com exceção de 2014 – considerando bancos com ativos acima de US$ 100 bilhões. O levantamento foi feito até o ano de 2016.

Juros bancários médios
Com o aumento dos juros do cheque especial e do cartão de crédito rotativo em dezembro, os números do BC mostram que também houve alta nos juros médios das instituições com recursos livres (sem contar BNDES, crédito rural e imobiliário) em novembro.
* a taxa média total (pessoa física e jurídica) passou de 35,6% ao ano em dezembro para 37,7% ao ano em janeiro.

* os juros nas operações com pessoas físicas passaram de 48,9% ao ano, em dezembro, para 51,4% ao ano, em janeiro.
* a taxa cobrada das empresas subiu de 18,8% ao ano em dezembro para 20,2% ao ano em janeiro.

Spread bancário

Com o aumento dos juros médios de todas as operações das instituições financeiras, o chamado "spread bancário" (diferença entre o que os bancos pagam pelos recursos e o que cobram de seus clientes) também subiu em janeiro.
No caso das operações com pessoas físicas e com empresas, o "spread" passou de 40,7 pontos percentuais em dezembro para 43,5 pontos em janeiro deste ano. Com isso, o spread bancário segue em patamar elevado para padrões internacionais.
O "spread" é composto pelo lucro dos bancos, pela taxa de inadimplência, por custos administrativos, pelos depósitos compulsórios (que são mantidos no Banco Central) e pelos tributos cobrados pelo governo federal, entre outros.

Fonte: G1
A.M

Outras Notícias

Estudantes de escola pública de Piratuba aprendem a economizar em palestra de educação financeira

Como lidar com a mesada e dar valor as pequenas quantias recebidas dos pais? A pergunta que sugere uma reflexão sobre...

Um ano após greve dos caminhoneiros, preço do diesel está maior

Um ano depois da paralisação dos caminhoneiros, que teve início em maio de 2018, a categoria desembolsa valores ainda...

Petrobras eleva o preço do botijão de gás em 3,4% a partir do domingo

RIO - A Petrobras vai reajustar o preço do gás de botijão de 13 quilos (O GLP residencial) a partir de domingo (dia 0...

Desemprego sobe para 12,7% em março e atinge 13,4 milhões de brasileiros

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 12,7% no trimestre encerrado em março, atingindo 13,4 milhões de pessoas, s...