Bolsonaro confirma sinal verde para plano de privatizar Correios

O presidente Jair Bolsonaro confirmou rumores divulgados na semana passada sobre a privatização dos Correios: o governo tem “sinal verde” para iniciar os estudos sobre a venda da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), com o objetivo de enxugar a máquina pública e reduzir dívidas. A estatal teve lucro em 2017 e 2018, mas sofreu perdas de R$ 5 bilhões nos dois anos anteriores.

“Dei sinal verde para estudar a privatização dos Correios”, disse Bolsonaro em café da manhã com jornalistas nesta quinta-feira (25). Ele aprovou a ideia de vender a estatal, e quer conseguir apoio popular relembrando os casos de corrupção envolvendo a empresa, além de suas perdas financeiras.

Os Correios tiveram lucro de R$ 161 milhões em 2018, e mais R$ 667,3 milhões em 2017, após quatro anos consecutivos de prejuízos. Ela segurou os gastos, fechou agências, encerrou o e-Sedex (versão mais barata do Sedex) e passou a cobrar taxa de R$ 15 em todas as encomendas internacionais.

Para a equipe presidencial, se a ECT for privatizada, ela terá “mais liberdade para se modernizar e responder às mudanças no mercado promovidas pelo comércio eletrônico”, segundo uma fonte da Reuters.

Marcos Pontes, ministro das Comunicações, Ciência, Tecnologia e Inovação, defende que a privatização dos Correios seja feita “de forma responsável e lógica, sem precipitação”. Ela deve considerar as necessidades estratégicas do Brasil, o retorno para o governo e os direitos dos funcionários — são mais de 100 mil servidores. (A ECT é subordinada ao ministério.)

Bolsonaro quer relembrar casos de corrupção nos Correios
No evento de hoje, Bolsonaro também fez referência ao escândalo dos Correios em 2005 e às suspeitas de irregularidades no Postalis. “Tem que rememorar para o povo o fundo de pensão, que a empresa foi o foco de corrupção com o mensalão”, disse o presidente.

Em resumo, um vídeo divulgado em 2005 mostra um funcionário dos Correios explicando para dois empresários um esquema de propina que seria gerido pelo então presidente do PTB, Roberto Jefferson. O dinheiro arrecadado iria para o caixa do partido.

O Congresso aprovou a criação da CPI dos Correios e, em meio às denúncias, Jefferson ameaçou revelar casos de corrupção envolvendo o PT. Então, ele contou que deputados aliados do governo Lula recebiam um “mensalão” de R$ 30 mil do tesoureiro do PT, Delúbio Soares.

Enquanto isso, o caso do Postalis é mais recente e parte de uma investigação feita pelo Ministério Público Federal em Brasília (MPF/DF) e pela Polícia Federal. Uma organização criminosa teria desviado recursos da previdência dos Correios, causando um rombo de mais de R$ 5 bilhões.

A Operação Pausare suspeita que o esquema beneficiou “dirigentes do fundo de pensão, empresas de avaliação de risco, instituições financeiras, gestores, administradores de fundos de investimentos, agentes e empresários que recebem as aplicações”.

Com informações: Estadão, O Globo.

Tecnoblog

Outras Notícias

Estudantes de escola pública de Piratuba aprendem a economizar em palestra de educação financeira

Como lidar com a mesada e dar valor as pequenas quantias recebidas dos pais? A pergunta que sugere uma reflexão sobre...

Um ano após greve dos caminhoneiros, preço do diesel está maior

Um ano depois da paralisação dos caminhoneiros, que teve início em maio de 2018, a categoria desembolsa valores ainda...

Petrobras eleva o preço do botijão de gás em 3,4% a partir do domingo

RIO - A Petrobras vai reajustar o preço do gás de botijão de 13 quilos (O GLP residencial) a partir de domingo (dia 0...

Desemprego sobe para 12,7% em março e atinge 13,4 milhões de brasileiros

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 12,7% no trimestre encerrado em março, atingindo 13,4 milhões de pessoas, s...