Professora exonerada grávida, mesmo que ACT, faz jus ao pagamento de indenização

A contratação temporária possui natureza provisória e precária e não gera direito a estabilidade no cargo - todavia, o direito à estabilidade de gestante é assegurado constitucionalmente.

Sob essa premissa, a 1ª Câmara de Direito Público do TJ, em matéria cujo relator foi o desembargador Luiz Fernando Boller, manteve sentença que condenou município ao pagamento das verbas indenizatórias em favor de professora admitida em caráter temporário e exonerada do cargo quando já estava grávida. "A contratação a título precário não tem o condão de afastar a garantia constitucional destinada a promover a proteção da mulher e do nascituro", destacou o sentenciante.

A professora receberá os salários a que faria jus desde a data de sua demissão indevida até o quinto mês após o parto, bem como verbas referentes a férias e 13º proporcionais ao período. O órgão julgador, de ofício, procedeu apenas à adequação dos juros de mora, que passam a ser contados da citação e pelos índices aplicáveis à poupança. A decisão foi unânime.

TJSC
A.M

Outras Notícias

Um em cada três clientes ignora valor da fatura do cartão de crédito

Levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito...

Calendário PIS-Pasep 2018-2019: começa pagamento de abono para nascidos em outubro

Começa a ser pago nesta quinta-feira (18) o abono salarial PIS do calendário 2018-2019, ano-base 2017, para os trabal...

Mudanças climáticas podem causar escassez de cerveja

Com o aumento das temperaturas no mundo, muitos especialistas têm alertado para os riscos que as mudanças climáticas ...

Boletos vencidos acima de R$ 100 já podem ser pagos em todos bancos

Os consumidores podem, a partir deste sábado, pagar boletos atrasados com valor igual ou superior a R$ 100 em qualque...