Professora exonerada grávida, mesmo que ACT, faz jus ao pagamento de indenização

A contratação temporária possui natureza provisória e precária e não gera direito a estabilidade no cargo - todavia, o direito à estabilidade de gestante é assegurado constitucionalmente.

Sob essa premissa, a 1ª Câmara de Direito Público do TJ, em matéria cujo relator foi o desembargador Luiz Fernando Boller, manteve sentença que condenou município ao pagamento das verbas indenizatórias em favor de professora admitida em caráter temporário e exonerada do cargo quando já estava grávida. "A contratação a título precário não tem o condão de afastar a garantia constitucional destinada a promover a proteção da mulher e do nascituro", destacou o sentenciante.

A professora receberá os salários a que faria jus desde a data de sua demissão indevida até o quinto mês após o parto, bem como verbas referentes a férias e 13º proporcionais ao período. O órgão julgador, de ofício, procedeu apenas à adequação dos juros de mora, que passam a ser contados da citação e pelos índices aplicáveis à poupança. A decisão foi unânime.

TJSC
A.M

Outras Notícias

Salário mínimo de R$ 998 para 2019 é aprovado pelo Congresso

O salário mínimo passará a ser de R$ 998 a partir do dia 1º de janeiro de 2019. O valor está presente na proposta da ...

Tarifa do transporte intermunicipal aumenta a partir de domingo

A partir da zero hora do dia 08 de julho (domingo), o valor das tarifas do transporte intermunicipal de passageiros n...

Polícia Militar de SC vai multar por e-mail e SMS

A partir desta segunda-feira (18), os policiais militares de Santa Catarina que aplicarem multas de trânsito não vão ...

Administração Municipal arrecada aproximadamente R$ 200 mil com IPTU 2018

O IPTU é calculado a partir de alíquota (definida por lei) que pode ser alterada a cada ano. É pago sobre toda propri...