Queda na colheita de milho preocupa agronegócio de SC

Queda na colheita do milho preocupa o agronegócio catarinense. O grão é usado para alimentação de animais. Para tentar melhorar essa situação, deve ser feita em 30 dias uma experiência de rota de importação do milho do Paraguai.

A colheita do milho terminou na propriedade de Mário Fries, em Chapecó, Oeste catarinense. A produção caiu 27%: de 214 sacas por hectare no ano passado, este ano foram colhidas 156. "Houve uma incidência muito grande de lagarta. A germinação também deixou a desejar um pouco", disse ele.

Agora, o produtor vai precisar comprar, no mínimo, 2 mil sacas do grão para manter a alimentação dos animais na granja. Aumento no custo que não tava nos planos.

Preocupação com indústria da carne

O estado catarinense é um dos maiores exportadores de carne suína e de aves do país. O setor representa 15% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado.

A Federação da Agricultura e Pecuária (Faesc) teme que essas indústrias deixem o estado. Isso porque para alimentar as criações em Santa Catarina, o milho precisa vir do Mato Grosso. Isso encarece a produção e o preço da carne produzida fica menos competitivo.

"Já vimos indústrias fechando porque ali não se produz milho, soja e o custo de buscar mais longe vai onerando essa indústria. Preocupa nós que somos lideranças do meio rural porque produzir em outros estados é muito mais econômico", afirmou o presidente da Faesc, José Zeferino Pedroso.

Rota do milho

Em 2016, uma alternativa foi proposta. A rota do milho traria o grão do Paraguai até o Oeste do estado. O trajeto é menor do que é feito hoje em dia.

"O Paraguai encurta em até 1,5 mil quilômetro o frete", disse o presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri.

A nova rota está prestes a ser inaugurada. Todas as licenças e autorizações dos governos envolvidos já foram emitidas.

"As tratativas já foram feitas com o Paraguai e a Argentina. Não tenho dúvida que é uma alternativa para resolver o problema interno", completou o presidente da Cidasc.

Caminho do Paraguai

Para chegar a Santa Catarina, o milho colhido no país vizinho seria levado até um porto na cidade de Mayor Otaño, no Paraguai, e atravessaria por balsas para o outro lado do Rio Paraná, em Eldorado, na Argentina. De lá, continuaria a viagem por rodovias até chegar ao porto seco de Dionísio Cerqueira, no Oeste de Santa Catarina. Da aduana até Chapecó, seriam mais 195 quilômetros de viagem.

Fonte: G1
A.M

Outras Notícias

Governo Federal libera saque do PIS-Pasep a cotistas de todas as idades.

A ampliação dos saques do fundo do PIS-Pasep para os cotistas de todas as idades vai injetar R$ 39,3 bilhões na econo...

Apicultor faz etanol a partir de mel e dribla crise dos combustíveis

O apicultor Luiz Jordans Ramalho Alves pode não ter sido o único motorista do Brasil que não passou aperto durante a ...

Piratuba mostra seus atrativos turísticos em evento do Mercosul

Nos dias 25 e 26 de maio, a secretária municipal de Turismo e superintendente da Fundação de Cultura e Eventos de Pir...

Fazenda publica Índice de Participação dos Municípios provisório para 2019

As prefeituras catarinenses têm 30 dias, a partir desta terça-feira, 5, para questionar os números provisórios do Índ...