Lynne Sladky/AP

Meditação não acalma todo mundo, diz estudo

Um dos maiores estereótipos de se fazer coisas relaxantes — como meditação — pode causar desconforto em algumas pessoas, segundo conclusões de um estudo que será liberado na próxima semana. A pesquisa diz que mais de um quarto das pessoas que meditam regularmente tiveram más experiências relacionadas à atividade.

Muitas pesquisas têm investigado os benefícios potenciais da meditação e técnicas de relaxamento semelhantes. Embora a meditação possa estar em um momento muito midiático ou sendo utilizada para vender produtos zoados, ela parece ajudar algumas pessoas que sofrem com ansiedade, depressão ou insônia.

Porém, há muito menos foco nos potenciais danos da meditação, mesmo que algumas pesquisas tenham sugerido que ela pode estar ligada a episódios de medo, ideação suicida e psicose, particularmente em pessoas que já estão lutando com sua saúde mental.

Os pesquisadores por trás deste estudo, publicado na PLOS One, realizaram uma pesquisa online com mais de 1.200 adultos que se disseram meditar regularmente – isto é, que praticaram a atividade pelo menos uma vez por semana por pelo menos dois meses.

Destes, 25,6% responderam “sim” quando lhes perguntaram se já tinham tido “experiências particularmente desagradáveis” que eles acharam que pudessem ter sido causadas pela meditação.

Embora a pesquisa não questionasse quais experiências ruins específicas essas pessoas poderiam ter tido, os exemplos fornecidos para responder a pergunta incluíam ansiedade, medo e um sentido alterado do mundo ou de si mesmas.

Os autores dizem que o estudo destaca a importância de mais pesquisa sobre os benefícios e malefícios da meditação. Eles alertam, no entanto, que o resultado desse artigo não deve ser considerado como definitivo.

“Neste momento, é importante não tirar conclusões prematuras sobre os potenciais efeitos negativos da meditação”, disse o autor principal, Marco Schlosser, pesquisador da divisão de psiquiatria da University College London.

Dito isto, foi possível perceber alguns padrões interessantes que Schlosser e sua equipe descobriram sobre quais são os grupos de risco.

Homens eram mais propensos a relatar más experiências, assim como as pessoas que eram menos religiosas. Pessoas que participaram de um retiro de meditação ou que praticaram somente a meditação desconstrutiva, que pede para que os participantes repensem a maneira como vêem o mundo e a si mesmas, eram também mais propensas a relatar uma experiência desagradável.

Não é só a meditação que é subestimada em estudos. Os autores observaram que também houve relativamente pouca pesquisa sobre como intervenções comportamentais mais tradicionais, como terapia e aconselhamento, podem às vezes afetar negativamente as pessoas.

De qualquer maneira, é necessário uma pesquisa que englobe a ampla gama de práticas terapêuticas e de meditação, as razões pelas quais as pessoas as procuram e os fatores que podem tornar essas atividades menos adequadas à elas.

“Estudos longitudinais ajudarão a aprender quando, para quem e em quais circunstâncias essas experiências desagradáveis surgem e se elas podem ter efeitos a longo prazo”, disse Schlosser. “Essa pesquisa futura poderia informar diretrizes clínicas, manuais de atenção e treinamento de professores de meditação”, disse Schlosser.

Portanto, se o pensamento de sentar-se em silêncio sem distrações soa como tortura para você, não se sinta tão mal, você não está sozinho.

Gizmodo

Outras Notícias

Volkswagen encerra produção mundial do Fusca

A Volkswagen encerrou oficialmente a produção mundial do Fusca (agora chamado apenas de Beetle) nesta quarta-feira (1...

Sem alarde, mas seu cérebro está encolhendo

Embora evolução leve milhares, às vezes milhões de anos, algumas alterações nas espécies podem ser observadas em pouc...

Passa de 200 o número de mortos em ataques a bomba no Sri Lanka

O balanço de vítimas dos oito atentados cometidos no Sri Lanka neste domingo (21) contabiliza 207 mortos e 450 ferido...

Cientistas extraem sangue líquido de cavalo de 42 mil anos de idade encontrado congelado na Sibéria

Os cientistas da região de Iakutsk, na Sibéria, conseguiram extrair amostras de sangue líquido de um potro de 42 mil ...