O governo de Mauricio Macri (foto) tentará alongar o prazo para pagamento das dívidas, de modo que os prazos não caiam todos no próximo mandato

Argentina declara moratória de dívida e pede renegociação com FMI

O ministro da Fazenda da Argentina, Hernán Lacunza, anunciou nesta quarta-feira (28) que o governo de Mauricio Macri pediu ao Fundo Monetário Internacional (FMI) prazos maiores para pagar a dívida bilionária do país com o organismo.

O anúncio está de acordo com o que defendem os candidatos da oposição à Presidência. Falaram a favor da renegociação o candidato Alberto Fernández, da chapa Frente de Todos - cuja vice é a ex-presidente Cristina Fernandez Kirchner - e o ex-ministro da Fazenda Roberto Lavagna, da coalizão Consenso Federal.

Fernández e Lavagna reclamam que os vencimentos da dívida argentina - de cerca de US$ 57 bilhões - estão concentrados no próximo mandato, enquanto a maior parte da liberação do dinheiro já foi realizada durante o governo Macri.

Segundo Lacunza, a Argentina pedirá a renegociação dos prazos previstos para pagar a dívida de um acordo assinado no ano passado, mas sem a reduzir do valor do que deve ser pago ao fundo. O governo argentino tenta assim deixar claro que não se trata de um calote ou tentativa de redução da dívida, como confirmaram economistas ouvidos pela BBC News Brasil.

"Nosso objetivo é a estabilidade cambial e econômica da Argentina, dando as ferramentas necessárias para o próximo governo", disse Lacunza ao falar sobre a iniciativa, ressaltando que o próximo governo pode ser de Macri, que busca a reeleição, ou da atual oposição.

Lacunza assumiu o Ministério da Fazenda argentino dias atrás após a renúncia do antecessor de Nicolas Dujovne. Pouco depois da fala dele, a pasta divulgou uma nota oficial sobre o tema.

"Depois de ter cumprido estritamente todas as metas fiscais e monetárias do acordo com o Fundo, e para dar continuidade ao acordo em vigor, propusemos a este organismo internacional iniciar o diálogo, que deverá ser concluído no próximo mandato, para mudar o perfil os vencimentos da dívida com o FMI", diz o texto.

Em Washington, segundo a imprensa argentina, o FMI informou que "continuará ao lado da Argentina" e que o país "tomou um passo importante para preservar a liquidez e as reservas (do Banco Central argentino)", mas que "analisará" o impacto da proposta de Buenos Aires.

Para o economista argentino Orlando Ferreres, da consultoria econômica Ferreres e Associados, o pedido de maior prazo para o pagamento da dívida ao FMI "não será resolvido de um dia para o outro". Segundo ele, o pedido argentino "pode não ser algo fácil de ser atendido", já que dependerá da decisão dos países que lideram o fundo e "colocam o dinheiro neste empréstimo" para a Argentina.

Além do pedido ao FMI, Lacunza informou que os prazos de pagamentos de títulos do país comprados pelo setor privado serão modificados.

O ministro justificou as iniciativas, dizendo que elas foram tomadas após a volatilidade registrada nos últimos dois dias no mercado financeiro argentino, com nova alta do dólar. Os argentinos costumam poupar na moeda americana, e variações no dólar têm grande impacto sobre a inflação no país. Nesta quarta-feira, o dólar fechou na casa dos 60 pesos.

O economista Matías Rajnerman trabalha na empresa de consultoria econômica Ecolatina, fundada pelo ex-ministro Lavagna. Para ele, a renegociação com o setor privado representa "uma ruptura de contrato", já que a Argentina não pagará aos investidores no prazo prometido.

"A Argentina está dizendo (aos que compraram títulos do país): 'vou pagar, mas no prazo que posso pagar'", afirma o economista.

Ele também observou que, neste caso, como no do FMI, não se trata de "calote" ou "redução da dívida", ou de "moratória": "A Argentina está dizendo 'devo e pagarei, mas num prazo maior'".

'Default técnico'
Para o economista Diego Martínez Burzaco, ao mudar os prazos de pagamentos dos títulos do setor privado, a Argentina "está em um virtual default técnico" e não se sabe como o mercado financeiro reagirá. Para o economista Martín Vauthier, a Argentina "vive principalmente um problema político, que está contaminando o (sistema) financeiro".

A decisão do governo Macri foi tomada após dois dias de forte incerteza no mercado financeiro e na política local. No fim de semana, Macri recebeu o apoio de simpatizantes num ato em frente à Casa Rosada, a sede da Presidência argentina. Esta foi a primeira manifestação registrada após Macri ser derrotado pelo candidato opositor Alberto Fernández e sua candidata a vice-presidente, a ex-mandatária argentina Cristina Kirchner.

Os dois abriram mais de 15 pontos de vantagem sobre a chapa de Macri nas primárias partidárias argentinas, realizadas em 11 de agosto. O desempenho da chapa opositora deixou a impressão, segundo analistas, de que o país viveu um primeiro turno eleitoral antecipado.

Agora, a dois meses do primeiro turno, no dia 27 de outubro, cada fala de Alberto Fernández tem forte influência no mercado financeiro e no tabuleiro político local. Esta semana ele emitiu comunicado criticando fortemente o acordo assinado por Macri com o FMI.

Fernández responsabilizou Macri e o organismo pela "catástrofe social" vivida pela Argentina. Fernández disse ainda que o empréstimo não serviu para melhorar a economia do país e que, ao contrário, só piorou o quadro recessivo.

Sua fala provocou críticas do governo e alimentou especulações de que ele, se eleito, poderia decidir não cumprir com os pagamentos da dívida. O candidato a vice de Macri, senador Miguel Ángel Pichetto, disse que Fernández e Cristina "querem incendiar o país" antes da posse do novo presidente. O eleito pelos argentinos este ano assumirá o poder em 10 de dezembro.

Nesta quarta-feira, após os anúncios de Lacunza, analistas políticos e econômicos diziam que a reação dos mercados dependerá também de "como Fernández reagirá aos anúncios do governo Macri".

BBC

Outras Notícias

Cientistas chineses usam método de edição de DNA para tratar paciente com HIV

Pela primeira vez, cientistas chineses conseguiram usar o método Crispr de edição de DNA para tentar curar uma pessoa...

Furacão Dorian ganha força, volta à categoria 3 e avança para os EUA

O furacão Dorian ganhava força na noite desta quarta-feira (4) ao se aproximar dos Estados Unidos, após ter deixado a...

Peru: arqueólogos descobrem restos de 227 crianças sacrificadas

Um grupo de arqueólogos descobriu os restos de 227 crianças oferecidas em um ritual da cultura pré-colombina Chimu, n...

Acosta Ñu: a sangrenta batalha em que crianças lutaram contra o Exército do Brasil na Guerra do Paraguai

Assim foi descrito o confronto pelo jornalista Julio José Chiavenato em Genocídio Americano: a Guerra do Paraguai, pu...