Entrar na água após comer faz mal? Saiba o que acontece no organismo

É comum que muitas mães digam para seus filhos não entrarem na piscina logo após a refeição pois, segundo elas, “isso faz mal”.

Entretanto, estar na água só é um risco se a temperatura dela estiver muito baixa. O principal perigo está na realização de atividades físicas, de acordo com o gastroenterologista André Ibrahim David, da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

“Pode fazer muito mal, mas varia de pessoa para pessoa. Depende do que ela comeu e da realização de atividade física na água”, afirma o médico.

Ele explica que quando as pessoas se alimentam, o organismo mobiliza a maior parte do sangue para o estômago e intestino a fim de fazer a digestão.

“Mas, ao fazer alguma atividade, tem o deslocamento do sangue para os músculos, porque eles vão precisar de oxigênio. Isso prejudica o processo digestivo”, completa.

O resultado inclui sintomas como náusea, tontura, dor de cabeça e sensação de mal-estar.

“É difícil chegar a desmaiar, precisaria fazer um exercício muito cansativo”, pondera o especialista. “O problema é vomitar, porque aí a pessoa pode aspirar o vômito e ter uma parada respiratória”, acrescenta.

Aqueles que têm mais de 50 anos são mais vulneráveis, pois fazem a digestão de maneira mais lenta. Já as crianças exigem atenção pois não sabem discernir o tipo de atividade que podem realizar nessa situação.

De acordo com David, o ato de entrar na água por si só ou tomar banho não gera risco, uma vez que não há esforço físico. Mesmo assim, o ideal é esperar cerca de uma hora e meia após a refeição.

“No caso de atletas, o recomendado é fazer uma refeição rica em carboidrato três horas antes de iniciar a competição no meio aquático”, ressalta.

Outro aspecto importante é a temperatura da água pois, assim como a digestão, ela também pode causar um deslocamento sanguíneo. “Se você entra numa água muito fria, o organismo vai mobilizar o sangue para estabilizar a temperatura corporal”, explica o médico.

Segundo ele, o melhor é que a temperatura da água esteja acima de 20°C. A partir de 15°C já pode haver complicações.

Para prevenir transtornos, o conselho é fazer refeições leves antes de praticar atividades de lazer ou durante as férias de verão, quando muitos recorrem à água para se refrescar. O cardápio pode ser composto por vegetais, peixes e frutas.

“É bom evitar refrigerante, não ingerir muita bebida alcoólica e tomar bastante líquido para não sobrecarregar a digestão”, recomenda David.

R7

Outras Notícias

Estado confirma 43.031 casos e 497 mortes por Covid-19

O Governo do Estado informou que há um total de 43.031 pacientes com teste positivo para Covid-19, sendo que 34.473 s...

Comitê para retomada das aulas presenciais apresenta novos encaminhamentos e ferramenta de gestão

O comitê estratégico para retomada das aulas presenciais em Santa Catarina, formado por 15 instituições, teve mais um...

MEDIDAS PROTETIVAS DA BRF AMPLIAM FROTA DE TRANSPORTE FRETADO DE COLABORADORES

Para assegurar as ações protetivas contra a Covid-19, a BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, amplio...

Cidade faz operação em recuperação de trecho urbano em Piratuba

Equipes da Secretaria de Cidade, deflagraram na tarde desta sexta-feira (10), uma operação que deve frear o surgiment...