Saretta questiona Estado se kit da merenda escolar é suficiente para alimentar estudante durante um mês

O deputado Neodi Saretta disse, durante a sessão na Assembleia Legislativa, que ficou perplexo com a quantidade de produtos disponibilizados pelo Estado nos kits de merenda escolar para os estudantes da rede pública de ensino, durante a pandemia. Os kits que começaram a ser distribuídos no mês de junho são compostos por 1 kg de feijão, 1 kg de arroz, 1 kg de farinha de fubá, trigo ou mandioca, duas caixas de leite e um litro de suco de uva integral. “Será que o estudante consumia durante o mês letivo, quando as aulas eram presenciais, apenas isso?”, questionou Saretta.

O deputado entende que não é possível incluir carne ou produtos perecíveis, mas destaca que macarrão, por exemplo, não é perecível, assim como a maça que tem durabilidade. “Eu gostaria de entender como foi feita a conta para a aquisição e montagem dos kits, até porque nós sabemos que os alimentos fornecidos nos kits são insuficientes para alimentar um estudante durante uma semana. E o kit é para o mês todo”.

Saretta disse ainda que, mesmo Santa Catarina sendo um estado rico, há muitas regiões pobres e, a merenda escolar, para muitos deles, era a principal refeição do dia.

Buscando entender e também esclarecer aos catarinenses, aos estudantes e familiares qual é a logística dos kits de merenda escolar, Saretta encaminhou, ao Secretário de Estado da Educação, um pedido de informação questionando se os kits são iguais para todas as escolas; se há precisão de incrementar com outros produtos, bem como, por quantos meses o valor pago prevê a distribuição dos kits de merenda escolar e, por fim, se o Governo do Estado entende que esses itens conseguem suprir a necessidade da alimentação para os estudantes durante um mês. “Estamos passando por um momento bastante difícil por conta da pandemia. Agora imaginem passar por tudo isso com pouca comida na mesa. Por isso deixo meu apelo para que o estado reveja e possa incrementar o kit de merenda escolar”.

O investimento do Estado foi de R$ 14,3 milhões, incluindo a montagem dos kits e a compra dos alimentos, que serão adquiridos integralmente da agricultura familiar catarinense.

Kit informática – Durante a sessão Saretta defendeu a necessidade de o Estado fornecer kits de informática, já que muitos estudantes não possuem computador e nem acesso à internet.

Susana Rigo
Assessoria de Imprensa do deputado Neodi Saretta

Outras Notícias

BRF faz doação em Herval d`Oeste

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, realizou, nesta segunda-feira (3), a doação de 850 equipamen...

Diocese de Joaçaba permite autonomia de Paróquias em ações contra o novo coronavírus

O Bispo Diocesano Dom Mario Marquez divulgou nota na sexta-feira, 31, com nova orientação para as Paróquias que fazem...

BRF faz doação à Secretaria Municipal da Saúde de Chapecó

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, realizou, nesta quarta-feira (29), a doação de 122,3 mil equ...

BRF faz doações em Joaçaba

Uma das maiores companhias de alimentos do mundo, a BRF realizou, nesta quinta-feira (30), duas doações em Joaçaba: 3...