Mais de 2,1 mil presos começam a receber treinamento para trabalhar na indústria têxtil

Mais de 2,1 mil apenados começaram nesta segunda-feira (23) a frequentar os cursos profissionalizantes para atuar na indústria têxtil que está sendo implantada no sistema prisional catarinense. A capacitação ministrada pelo Senai ocorre no Complexo Penitenciário de Chapecó, Penitenciária Sul, em Criciúma, Penitenciária Industrial de São Cristóvão do Sul, Complexo Penitenciário do Vale do Itajaí e UPA de São Miguel do Oeste é preparatória para a ativação das linhas de produção que estão sendo montadas nestas unidades. Ao longo dos próximos 90 dias, os internos receberão treinamento para atuar nas áreas de corte industrial, costura, serigrafia, logística e manutenção de máquinas.

O Secretário da SAP, Leandro Lima, acompanhou o início das atividades naem Criciúma e destacou a importância do projeto. “Ao todo vamos gerar cerca de 1,6 mil novas vagas de trabalho qualificado para os apenados, que serão pagos pelo exercício da atividade, sendo que 25% do salário retorna para o Fundo Rotativo da unidade prisional a título de indenização. Também estão sendo construídos 18 galpões industriais para abrigar as linhas de produção. Desta forma com treinamento e infraestrutura adequadas poderemos oferecer produtos de qualidade como, por exemplo, uniformes escolares tanto para a rede pública estadual ou municipal”, destacou. De acordo com o projeto, o kit de uniformes terá itens para atividades em sala de aula, atividade física e adaptado às mudanças climáticas.
O aumento da oferta de vagas de trabalho tem dois importantes objetivos. O primeiro deles é a possibilidade de reabilitação social e econômica dos internos, com a oferta de treinamento para atuar em atividade qualificada e identificada com a região. Outro fator importante é que 25% do salário retornam para o Fundo Rotativo e o valor arrecadado é totalmente reinvestido na unidade, em obras de infraestrutura ou aquisição de equioamentos para a implantação de novas oficinas. Além disso, o trabalho é uma estratégia de segurança prisional.

Para o governador Carlos Moisés, é fundamental oferecer trabalho e ensino nas unidades prisionais. “É o único caminho”, afirmou, lembrando que ao cumprir a condenação o apenado precisa estar recuperado para retornar à sociedade. “Essa parceria com a FIESC/Senai é extremamente importante. Hoje, além das empresas se instalarem nas unidades, o estado também investe na compra de equipamentos para atuar na qualificação de mão de obra para a indústria têxtil. Essa capacitação pode gerar o interesse do apenado por uma profissão e, ao ganhar a liberdade, tem a possibilidade de ressocialização.”

Jacqueline Iensen

Outras Notícias

Depois de muita pressão melhorias são feitas pelo DNIT na ponte entre SC e RS

Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) iniciou nessa semana uma intervenção na ponte sobre o l...

Justiça de Concórdia condena homem a pena de 16 anos por homicídio ocorrido em 2014

A Justiça da Comarca de Concórdia condenou o réu de iniciais A.S.R a pena de 16 anos de reclusão em regime inicial fe...

Colisão entre trator e utilitário deixou um ferido no Contorno Viário de Capinzal

Um grave acidente de trânsito foi registrado no começo da manhã deste domingo, dia 24, no Contorno Viário de Capinzal...

Bombeiros Voluntários de Ararutã participam do ENBOV,(Encontro Nacional de Bombeiros Voluntários),em Garibaldi (RS).

O evento é promovido pela Voluntersul (Associação de Bombeiros Voluntários do Estado do Rio Grande do Sul) e a Associ...