A vacina de dose única ‘Sputnik Light’ demonstra 70% de eficácia contra a infecção contra a variante Delta durante os primeiros três meses após a vacinação

Dados do Centro Gamaleia demonstram que a vacina ‘Sputnik Light’ administrada sozinha demonstrou eficácia de 70% contra a infecção pela variante Delta do coronavírus durante os primeiros três meses após a vacinação.

A vacina é 75% eficaz entre indivíduos com menos de 60 anos. A ‘Sputnik Light’ demonstrou uma eficácia superior em comparação com algumas vacinas estrangeiras de duas doses, que mostraram um grande declínio na eficácia contra a variante Delta para menos de 50% cinco meses após a injeção .

O uso independente da ‘Sputnik Light’ também oferece uma eficácia muito maior contra doenças graves e hospitalizações.

A análise foi conduzida com base em dados de 28.000 participantes que receberam uma única dose da ‘Sputnik Light’, em comparação com um grupo de controle de 5,6 milhões de indivíduos que não foram vacinados. Os dados usados no estudo foram coletados em julho de 2021 em Moscou.

Eficácia da ‘Sputnik Light’ como dose de reforço

Um regime de vacinação com a ‘Sputnik Light’ tem uma série de vantagens importantes, incluindo facilidade de administração da vacina, monitoramento e esquema de revacinação mais flexível quando usada como reforço.

A eficácia da ‘Sputnik Light’ como reforço contra a variante Delta combinada com outras vacinas será próxima da eficácia contra a variante Delta da vacina ‘Sputnik V’: mais de 83% contra infecção e mais de 94% contra hospitalização.
III. Dados do mundo real sobre a ‘Sputnik Light’ e estudos de combinação com outras vacinas

A vacina ‘Sputnik Light’ é baseada no adenovírus humano sorotipo 26, o primeiro componente da ‘Sputnik V’ - a primeira vacina registrada no mundo contra o coronavírus. A ‘Sputnik Light’ já foi autorizada em mais de 15 países, com o processo de registro em andamento em mais 30. A ‘Sputnik Light’ será produzida pelos parceiros internacionais da RDIF em mais de 10 países (Índia, China, Coreia do Sul, Vietnã, México, Argentina, Sérvia, Turquia, etc.). Isso inclui o Serum Institute of India, o maior produtor mundial de vacinas.

A ‘Sputnik Light’ provou ser segura e altamente eficaz com base em dados de vacinação do mundo real em vários países. Em particular, a vacina demonstrou eficácia entre 78,6-83,7% entre os idosos, conforme confirmado pelo Ministério da Saúde de Buenos Aires, Argentina. O Ministério da Saúde do Paraguai também concluiu que a ‘Sputnik Light’ foi 93,5% eficaz durante a campanha de vacinação em andamento no país.

Graças à sua segurança e eficácia, a vacina ‘Sputnik Light’ agora é usada de forma autônoma e estudada em combinação com vacinas de outros produtores em vários países.
A abordagem de reforço heterogênea (um “coquetel de vacina” usando o adenovírus humano sorotipo 26 como o primeiro componente e o adenovírus humano sorotipo 5 como o segundo componente) estava no cerne da ‘Sputnik V’. Esta abordagem foi comprovada por ser bem sucedida na criação de um mais longo e mais imunidade durável contra o coronavírus. O RDIF iniciou parcerias com outros produtores de vacinas para conduzir estudos conjuntos sobre a combinação do primeiro componente da ‘Sputnik V’ com outras vacinas.

Esses estudos estão em andamento na Rússia, Argentina, Azerbaijão e Emirados Árabes Unidos, entre outros.

Em particular, o RDIF, o Ministério da Saúde da Argentina, o Ministério da Ciência da Argentina e o CONICET estão conduzindo um estudo para avaliar a resposta imunológica e a segurança de regimes heterogêneos combinando ‘Sputnik Light’ e vacinas produzidas pela AstraZeneca, Sinopharm e Moderna na cidade e província de Buenos Aires, bem como as províncias de San Luis, Córdoba e La Rioja. Os resultados iniciais do estudo confirmam um perfil de alta segurança de combinações sem eventos adversos graves relacionados à vacinação.

Os resultados preliminares do uso combinado da vacina AstraZeneca e ‘Sputnik Light’ de um ensaio clínico no Azerbaijão demonstraram que os anticorpos para a proteína spike do vírus SARS-CoV-2 (proteína S) apareceram em 100% dos voluntários. O uso combinado das vacinas também mostra um perfil de alta segurança, sem eventos adversos graves ou casos de infecção por coronavírus após a vacinação.

RFID

Outras Notícias

Vacina Sputnik V mostrou alta eficiência na prevenção de hospitalizações e óbitos na Argentina, revela estudo

Rejeitada pela Anvisa inúmeras vezes, a vacina Sputnik V foi capaz de reduzir em até 87,6% a hospitalização de pesso...

Jovem encontra Lamborghini e Ferrari esquecidos na casa dos avós por mais de 20 anos

Encontrar algumas “velharias” na casa dos avós não é incomum. Contudo, se deparar com dois superesportivos italianos ...

Número de mortos por terremoto no Haiti passa de 700

Ao menos 724 pessoas morreram após forte terremoto no Haiti, informaram as autoridades neste domingo (15), atualizand...

Terremoto no Haiti deixa ao menos 227 mortos, segundo balanço preliminar

Ao menos 227 pessoas morreram no Haiti após o terremoto de magnitude 7,2 registrado neste sábado (14), segundo um bal...