Pelo menos 30% dos consumidores brasileiros devem ir às compras nesta Black Friday

Pesquisa nacional de intenção de compras da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) aponta que pelo menos 29,8% dos consumidores pretendem aproveitar as ofertas da Black Friday em todo o Brasil. Só que esses números tendem a ser ainda maiores já que o estudo mostra que 24,9% dos brasileiros ainda não decidiram se compram algo ou não. Do total, ainda há 45,3% que não pretendem gastar dinheiro neste período. Oficialmente, o dia reservado pelos comerciantes para dar descontos especiais a seus clientes é a última sexta-feira de novembro, ou seja, o próximo dia 26.

A maioria das pessoas que compra nesta data ou período (54,9%) consome porque quer aproveitar os grandes descontos oferecidos por comerciantes e prestadores de serviços. Há também aqueles que querem encontrar mais barato o item que já iriam comprar (50,2%) e os que antecipam os presentes do Natal (23%). Nesta pesquisa, encomendada junto à Behup, foram entrevistadas 1.657 pessoas nas cinco regiões do País. Elas podiam escolher mais que uma resposta.

"A Black Friday deve antecipar somente parte das compras de Natal o que praticamente garante novembro e dezembro com grande movimentação no comércio", disse Marcel Solimeo, economista da ACSP.

A data sempre foi um grande atrativo para as pessoas que queriam investir em eletrônicos e em produtos da linha branca para suas casas. A tendência não mudou, mas o aumento da mobilidade urbana, por conta do avanço da vacinação e um maior controle de internações por causa da covid-19, trouxe uma novidade: muita gente está precisando de peças de vestuário. Do total de entrevistados, 38,3% pretendem comprar roupas, calçados ou acessórios.

Sobre os eletrônicos, os telefones celulares lideram com 28,7%. Depois vêm os computadores, notebooks ou tablets (19,9%), as TVs (19,4%), caixinhas de som (10,6%), os videogames (7,7%) e os jogos de videogame (7,5%).

Em relação à linha branca, existe um equilíbrio entre máquina de lavar (14,1%), fogão (13,6%), geladeira (13,4%) e micro-ondas (9,4%).

"É tradicional que artigos eletroeletrônicos apresentem a maior intenção de compra durante a Black Friday, mas chama a atenção a importância de itens de uso pessoal, o que pode estar vinculado tanto à diminuição das restrições de mobilidade social, como ao fato de que, em geral, são produtos de menor valor num contexto de queda da renda do brasileiro", analisou Solimeo.

Os serviços representados por viagem e hospedagem em hotel mostraram intenção de compra relativamente ainda reduzida (14,3% e 8,9%, respectivamente).

"Podemos estimar que, mesmo diante das atuais dificuldades financeiras das famílias, a perspectiva para as vendas da Black Friday aponta para um resultado superior ao do ano passado", finalizou Solimeo.

ACSP

Outras Notícias

Copom define taxa básica de juros nesta semana

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) realiza nesta terça (7) e quarta-feira (8) a última reun...

Santa Catarina acumula 187.147 empregos formais no ano e mantém momento positivo

Santa Catarina tem um saldo positivo de 187.147 postos formais de trabalho em 2021 e chega a 200.882 no acumulado dos...

Sicredi amplia portfólio de investimentos por meio de parceria com gestoras de recursos

Com o objetivo de disponibilizar opções de investimentos diversificadas e aderentes ao cenário econômico atual e futu...

Unidade da Randon Implementos em Chapecó (SC) celebra 10 anos investindo em tecnologia e capacidade produtiva

Localizada em um dos principais polos agroindustriais do Sul do Brasil, a Randon Chapecó está completando em 2021 a p...