MPSC recorre de sentença em ação por fraude a concurso público de Xaxim

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) apelou da sentença na ação penal ajuizada contra nove pessoas por fraudarem concurso público do município de Xaxim. O recurso foi movido em função do Juízo de primeiro grau decretar a extinção da punibilidade por prescrição antecipada para sete dos nove réus e aplicar pena que o Ministério Público considera insuficiente aos outros dois.
A sentença condenou a ex-primeira-dama do município de Xaxim Rita Lunardi Silveira Vicenzi e a funcionária pública municipal Eliane Regina Evangelista de Marco Pedrosa pelo crime de fraude a concurso público. Cada uma recebeu pena de dois anos e oito meses de reclusão em regime aberto, substituída por serviços comunitários, na razão de uma hora para cada dia de condenação, mais multa de 10 salários-mínimos.

O promotor de Justiça Diego Roberto Barbiero, porém, considera que o cálculo das penas deve ser revisto, diante da gravidade dos fatos imputados a ambas e as consequências do crime, que só não foram maiores porque o município de Xaxim acatou recomendação do Ministério Público e anulou o certame, mas causou enormes danos e contratempos à Administração Pública e a todos os candidatos inscritos no concurso.

Prescrição antecipada

Da mesma forma, o promotor de Justiça considerou inadequada a aplicação da extinção da punibilidade por prescrição antecipada pela prática do crime de fraude a concurso público para os réus Emerson Dell'Osbel e Sandra Leite Dell'Osbel, proprietários da SC Cursos e Treinamentos, empresa que organizou o concurso público. Barbiero também discorda da prescrição antecipada do crime de falsidade ideológica atribuído à primeira-dama.
O Juízo da 2ª vara da Comarca de Xaxim considerou que a pena que seria aplicada pelos crimes dificilmente atingiria dois anos de reclusão e, assim, a prescrição da pretensão de punibilidade ocorreria em quatro anos - sendo que a ação penal já tramita a seis anos. Assim, por entender que a continuidade da ação não traria efeito prático, declarou extinta a punibilidade para todos os réus, à exceção de Rita e Eliane pelo crime de fraude a concurso público, pois como são agentes públicas, a pena aumenta em um terço e, consequentemente, o prazo prescricional seria de oito anos.

Em relação aos demais réus, o promotor de Justiça entendeu adequada a prescrição punitiva. Quatro deles, Marinês da Silva, Sidiane Antunes de Lima Caldato, Elvani Maria Ritter e Clair Fátima Silveira de Alves - candidatas beneficiadas pela fraude - colaboraram com as investigações e teriam reduções de pena de 1/3 a 2/3, o que acarretaria, realmente, na prescrição. Já no caso de Manuela Vicenzi, filha da primeira-dama, como ela tinha 19 anos à época dos fatos, o prazo prescricional se reduz pela metade, resultando, igualmente, na extinção da punibilidade.

Fraude foi investigada pelo GAECO

A fraude no concurso público de Xaxim foi apurada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) quando uma candidata procurou a Promotoria de Justiça da Comarca para denunciar que havia recebido o gabarito errado da prova. A candidata se inscreveu para o cargo de auxiliar de enfermagem e recebeu o gabarito da prova de enfermagem.
A investigação apontou que Rita Lunardi Silveira Vicenzi recebeu os gabaritos das provas dos proprietários da SC Cursos e Treinamentos e, por intermédio de sua filha, Manuela Vicenzi, e da diretora de Assistência Social do município, Eliane Regina Evangelista de Marco Pedrosa, entregou-os a candidatas previamente escolhidas para serem aprovadas no concurso público mediante fraude.

Na ocasião, a Promotoria de Justiça de Xaxim recomendou a anulação do concurso público e a prefeitura acatou. O certame foi realizado em 5 de maio de 2012. Foram contabilizadas 368 inscrições para 19 cargos.
Pelos mesmos fatos, a 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Xaxim ajuizou ação civil pública, na qual requer a imposição das sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa: perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio; perda da função pública; suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos; pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano; e proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de cinco anos.

Fonte: ASCOM MPSC
A.M

Outras Notícias

BRF amplia portfólio de produtos na linha Sadia Veg&Tal

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, avança cada vez mais no segmento de plant-based com o lançam...

Ministério Público suspende o atendimento presencial junto ao Fórum de Justiça de Capinzal

O Ministério Público (MP) da Comarca de Capinzal está suspendendo o atendimento presencial a partir desta terça-feira...

Comarca de Joaçaba, no meio-oeste, leva tema da adoção para debate em praça pública

O Juizado da Infância e Juventude da comarca de Joaçaba participou neste mês da 5ª edição do evento social "OAB em Aç...

Mais de 43 mil unidades sem energia elétrica na região

Mais de 43 mil unidades consumidoras ficaram sem energia elétrica na região de Concórdia, na noite deste sábado, dia ...