Categoria quer impedir a redução dos salários e de benefícios, e é contra a privatização da empresa.

Funcionários dos Correios entram em greve

Os funcionários dos Correios entraram em greve geral por tempo indeterminado. A greve foi decretada na noite desta terça-feira (10) em assembleias realizadas em diferentes estados do país.
A categoria quer impedir a redução dos salários e de benefícios, e é contra a privatização da estatal, que foi incluída no mês passado no programa de privatizações do governo Bolsonaro.
O reajuste salarial com reposição da inflação do período é um dos principais pontos reivindicados pela categoria. No entanto, os trabalhadores querem também a reconsideração quanto a retirada de pais e mães do plano de saúde, melhores condições de trabalho e outros benefícios.

A Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) e a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) afirmam que a greve é geral e todos os 36 sindicatos de trabalhadores dos Correios aderiram à greve.
"A decisão foi uma exigência para defender os direitos conquistados em anos de lutas, os salários, os empregos, a estatal pública e o sustento da família", afirmou em nota a Findect.
"Mesmo com a mediação do TST, a empresa não recebe os representantes dos trabalhadores há mais de 40 dias e se nega a negociar, pois insiste em reduzir benefícios que rebaixariam ainda mais o salário da categoria, que já é o pior entre todas as estatais", disse a Fentect.


O que diz a estatal
Em nota, a direção dos Correios informou ter participado de 10 encontros com os representantes dos trabalhadores para apresentar propostas dentro das condições possíveis, "considerando o prejuízo acumulado na ordem de R$ 3 bilhões".
A estatal ainda não divulgou balanço sobre os impactos da greve, mas fala em "paralisação parcial". "O principal compromisso da direção dos Correios é conferir à sociedade uma empresa sustentável. Por isso, a estatal conta com os empregados no trabalho de recuperação financeira da empresa e no atendimento à população", disse a empresa.

Veja a situação em Santa Catarina:
Os funcionários dos Correios de Santa Catarina entraram em greve por tempo indeterminado, após assembleia realizada na noite de terça-feira (10), em Florianópolis. A categoria não aceitou a proposta de reajuste salarial oferecida pela empresa, de 0,8%, menor que os 3,1% da inflação acumulada em 12 meses pelo Índice de Preços ao Consumidor (INPC).

A Rádio Piratuba FM entrou em contato com os responsáveis das unidades de Piratuba e Ipira, que não aderiram a greve. O trabalho de atendimento e entrega das correspondências continuam normalmente em toda a regional, conforme informações repassadas. Contato das Unidades: Fone (49) 3553 0255 - PIratuba e 3558 0907 - Ipira.

Fonte: G1 - O Globo
Por Rádio Piratuba FM

Fotos

Outras Notícias

TSE cassa vereadores de Santa Catarina por fraude na candidatura de mulheres

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou a candidatura de cinco vereadores de Sombrio, no Sul de Santa Catarina, qu...

Saiba quais regras vão vigorar nas eleições municipais de 2020

Daqui a exatamente um ano, os brasileiros irão às urnas para escolher prefeitos e vereadores. A eleição, marcada para...

Guedes prevê arrecadação de R$ 150 bilhões por ano com 'nova CPMF'

RIO - O ministro da Economia, Paulo Guedes , afirmou, em entrevista ao jornal "Valor Econômico", que a " nova CPMF ...

MDB de Piratuba organiza convenção para o mês de outubro

Acontece no dia 19 de outubro, a convenção partidária do MDB - Movimento Democrático Brasileiro - de Piratuba. O enco...